terça-feira, 29 de janeiro de 2013

http://www.seleccoes.pt/files/pt-por/NGWP_logo.jpg
O universitário Joshua Johnson, que sapateia no metrô
Foto: Glenn Glasser
Os milagres estão diante de nossos olhos. São pequenos gestos de solidariedade e amor, pessoas que ajudaram e foram ajudadas. E para inspirar você, selecionamos alguns momentos surpreendentes que aconteceram durante o ano de 2012.
Momentos de graça
Um mergulho no Lago Superior ajuda a aliviar as dores nas pernas artríticas do cão Shoep, 19 anos. Seu dono, John Unger, de Wisconsin, leva-o até lá sempre que pode. Esta foto teve milhões de acessos depois de postada no verão, e por uma boa razão: ela mostra, mais do que muito que se vê por aí, o amor incondicional.
Em agosto, quase 50 anos depois do divórcio, Lena Henderson e Roland Davis, ambos de 85 anos, voltaram a se casar. Quatro gerações da família, inclusive 20 netos, compareceram à cerimônia em Nova York.
Na zona leste de São Paulo, os moradores de rua Rejaniel Silva Souza e Sandra Domingues encontraram por acaso um saco de lixo com 20 mil reais, que haviam sido roubados de um restaurante e perdido pelos ladrões durante a fuga. Os dois, que tinham apenas um real no bolso, entregaram o dinheiro à polícia. O proprietário do restaurante deu a eles um emprego e a chance de sair da rua. Rejaniel foi admitido como auxiliar de serviços gerais. E Sandra agora é auxiliar de cozinha.
Da próxima vez que achar incômodo aquele sujeito que pede dinheiro, pense em Joshua Johnson. O universitário de 20 anos vai a Nova York todo fim de semana para sapatear no metrô e pagar a anuidade de 6 mil dólares da Universidade Estadual da Pensilvânia.
O sargento Jeremy Cooney da Marinha americana voltou do Afeganistão e teve uma surpresa ao chegar em casa. O filho Michael, 6 anos, que sofre de paralisia cerebral, andou até os braços do pai pela primeira vez na vida.
A bondade  de  estranhos
Thiago Bertoldi, filho de um caminhoneiro e de uma dona de casa, deixou a cidade natal de Garça (SP) para se dedicar à música. Conseguiu formar-se pianista em julho pela Academia de Música Franz Liszt, de Budapeste, graças ao apoio financeiro da psicóloga Judith Vero que, aos 69 anos, além de trabalhar e fazer tradução simultânea, dedica-se a patrocinar jovens talentos.
Nascido com uma deficiência imunológica rara, Lucas Gonzalez, 3 anos, precisava desesperadamente de um transplante de medula óssea. E a família sabia onde levantar recursos: no site de notícias sociais reddit.com. Em 24 horas, foram coletados mais de 50 mil dólares.
As dificuldades financeiras da família não permitiriam que Helen Cardenas ganhasse presentes de Natal. Assim, a menina de 5 anos de Seattle escreveu pedindo presentes a Papai Noel e prendeu o bilhete num balão. A 1.100 km dali, o balão caiu no rancho de Frank Sanderson, na Califórnia. Os Sandersons compraram os presentes da lista e os mandaram para Helen.  
Ao voltar para casa depois de cumprir seu turno como motorista de ônibus de Nova York, Stephen St. Bernard, 52 anos, ouviu gritos e viu Keyla McCree, 7 anos, em pé em cima do aparelho de ar-condicionado do lado de fora do apartamento do terceiro andar. Ele correu e chegou a tempo de pegar a menina, que caiu de uma altura de quase oito metros. A força do choque lhe provocou o estiramento de um tendão no ombro; a menina sofreu apenas ferimentos leves.
Casos  de  sobrevivência
Jan Lisewski partira de El Gouna, no Egito, a caminho de Duba, na Arábia Saudita, praticando kitesurf no Mar Vermelho quando os ventos amainaram. Para piorar a situação: tubarões começaram a nadar em volta dele. Felizmente, o polonês de 42 anos tinha uma faca, que usou para afastar os inimigos ferozes até ser resgatado... quarenta horas depois.
Nos campeonatos de atletismo do estado americano de Ohio, Meghan Vogel, 17 anos, observou Arden McMath, sua esforçada adversária, desmaiar de exaustão na final dos 3.200 metros. Depois de ajudá-la a se levantar, Meghan fez com que Arden  atravessasse a linha de chegada antes dela.
Depois que um aluno caiu no poço inundado de uma mina, a professora de um jardim de infância próximo de Hanover, na Alemanha, pulou atrás dele numa queda de 23 metros. Logo que caiu na água gelada, ela manteve a cabeça do menino elevada durante duas horas até os dois serem resgatados.
Ao estacionar numa vaga no Novo México, Lezlie Bicknell viu duas crianças bem pequenas e sozinhas na caminhonete ao lado, uma delas sentada no banco do motorista. Antes que ela desligasse o próprio carro, a caminhonete começou a descer em direção a uma rua movimentada. Para ajudar, Lezlie pulou do seu carro, que também começou a descer e acabou impedindo que a caminhonete chegasse à rua.
Momentos decisivos
Para a maioria dos alunos da primeira série, escrever com letra bonita é difícil, menos para Annie Clark. Embora tenha nascido sem as mãos, a menina de 7 anos da Pensilvânia aprendeu a escrever com o lápis preso entre os braços e ganhou um prêmio e um troféu num concurso nacional de escrita à mão.
Depois de sofrer um AVC que o deixou completamente paralisado, um britânico digitou a seguinte mensagem no Twitter usando um computador que acompanha a atividade das pupilas: “Olá, mundo. Sou Tony Nicklinson. Tenho uma síndrome paralisante e esse é o meu primeiro tweet.” Vinte e quatro horas depois, Nicklinson tinha quase 2.500 seguidores.
Enviar um comentário