segunda-feira, 4 de março de 2013


Estadão.com.br

Empreendedores que querem ajudar o mundo a ser um lugar melhor


Esta semana não vou comentar os posts dos meus colegas, mas prometo incluí-los no meu post da semana que vem. Gostaria hoje de contar um pouco da minha participação no AshokaU, em San Diego, Califórnia, na semana passada.
Você pode chamá-los de utópicos, sonhadores, românticos ou até mesmo ingênuos, mas há um número crescente de empreendedores que querem ajudar o mundo a ser um lugar melhor. A AshokaU é a reunião anual de empreendedores e educadores que acreditam nisso. O evento é organizado pelaAshoka, ONG que apoia empreendedores sociais em vários países no mundo, inclusive no Brasil.
Há alguns anos, a Ashoka vem selecionando universidades que realmente estão comprometidas com a inovação social e a formação de alunos que realmente querem mudar o mundo e na AshokaU, todos se  reúnem para trocar experiências, fazer parcerias e se inspirar.
Conheci muita gente incrível! Desde uma estudante de 21 anos que inventou um painel solar que também filtra água – e que já está sendo utilizado em países na África (Roseicollis Technologies) até Marc Freedman, um dos mais reconhecidos empreendedores sociais dos Estados Unidos. Ele fundou aEncore.org, organização que ajuda pessoas em sua segunda fase da vida a encontrar um trabalho que reúna significado pessoal, renda continuada e impacto social. Se você já entrou na sua segunda fase da vida, como eu, o trabalho da Encore faz muito sentido.
Chamou a atenção também o número de países representados (40) e o intenso interesse em disseminar a educação empreendedora social. Mais do que desenvolver grandes empresas, estes empreendedores são motivados por desenvolver grandes legados. Outra grata surpresa é como o Brasil é bem visto pelos participantes. O País foi mencionado várias vezes como um local de grandes oportunidades para o empreendedorismo social e muitos têm interesse em atuar em parceria com instituições e empreendedores brasileiros.
E para não ser muito extenso, fiquei impressionado com o número de alunos das faculdades norte-americanas que têm interesse em atuar como empreendedores sociais ou, ao menos, apoiar estas iniciativas. Não raro, muitos tiram férias para fazer trabalho voluntário em países da África, Ásia e América Latina. Certo palestrante disse que inicialmente tinha decidido fazer isto porque queria pensar “fora da caixa”, mas quando retornou do trabalho voluntário, tinha se transformado tanto que já nem havia mais uma “caixa”.
Mais do que o evento em si, a AshokaU é um símbolo de como a mensagem do empreendedorismo social tem se espalhado ao redor do mundo não só em sua verão “sem fins lucrativos”, mas também na versão com “fins lucrativos”, que por sua vez ganha definições como negócios sociais ou negócios de impacto.
No Brasil não é diferente. Apesar do número ainda ser tímido, já existem diversas organizações e instituições acadêmicas que apoiam, investem e desenvolvem o empreendedorismo e negócios sociais. Além da Ashoka, outras entidades também atuam neste terreno. A Artemísia é uma organização que forma empreendedores de negócios sociais. Ela também tem uma aceleradora para as empresas já existentes. Quer mudar o mundo e não sabe como? Participe da Usina de Ideias da Artemísia.
A VoxCapital é um fundo de capital de risco especializado em investir em negócios deste tipo. Se você tem uma empresa com alto potencial de crescimento e que trabalha para a chamada “base da pirâmide” social, e mais do que “para”, mas também “com” as pessoas destas classes sociais, pesquise mais sobre a VoxCapital e outras investidoras de impacto (procure por impact investing) que atuam no Brasil e no Exterior.
Tem um negócio social, mas precisa de uma capacitação em gestão para fazer a empresa deslanchar? Candidate-se aoPrograma Visão de Sucesso, organizado pela Endeavor para capacitar empreendedores que atuam com a base da pirâmide. AQuintessa é uma consultoria (sem fins lucrativos) que ajuda negócios sustentáveis e que também pode ajudá-lo(a). E no meio de tudo isso, o Instituto de Cidadania Empresarial (ICE) apoia os líderes que estão influenciando o desenvolvimento de empreendedorismo e negócios sociais no Brasil. Se você busca seu lugar no universo, ser voluntário, colaborador ou empreendedor de alguma entidade de empreendedorismo social ou de um negócio social pode ser uma boa alternativa.
Enviar um comentário