terça-feira, 18 de junho de 2013

O GLOBO

Redes sociais dão o tom da ‘revolta do vinagre’

  • Grupos na internet orientam e mobilizam protestos em todo o Brasil
Nivia Carvalho 
RIO - A cena não era vista desde o impeachment de Collor, em 1992. Assim como na “Primavera árabe”, que lotou praças e derrubou ditadores, no Brasil, as redes sociais também impulsionam a escalada de protestos contra o aumento das tarifas de ônibus, tanto na mobilização dos participantes como na descrição dos fatos em tempo real. A publicação de vídeos, fotos e relatos na hora e logo após os protestos tomam conta de Youtube, Twitter, Facebook, Instagram e Tumblr.
Ontem, desde cedo, cartazes e fotos postados nas redes convocavam as pessoas a participarem, nas ruas ou em casa, das manifestações em oito capitais. Com tags, as etiquetas que filtram temas nas redes, usuários recomendavam o uso de roupas brancas e a colocação de bandeiras da mesma cor nas janelas na preparação de um movimento pacífico. No Instagram, por volta das 18h de ontem, mais de 18 mil imagens foram postadas com a etiqueta #whitemonday, e 9.600 com #vemprajanela. #Vemprarua reuniu mais de 24 mil fotos. No Youtube, a lista dos dez vídeos mais vistos no Brasil foi inteiramente dominada pelo tema.
O “Occupy São Paulo” espalhou um manual para participantes nas ruas, com indicações sobre como, por exemplo, “lidar com gás lacrimogêneo e bombas”, ou em casa: “tire a senha do Wi-Fi se você mora ou trabalha perto das áreas de manifestação”, para que todos pudessem compartilhar rapidamente os fatos). As redes também difundiram o mapa colaborativo da chamada “revolta do vinagre” — com locais de concentração em várias cidades; e uma central de ajuda para participantes, com informações sobre os pontos sem conflito potencial, rotas livres e socorro a feridos em confrontos.
A adesão aos “eventos” criados no Facebook mostrava o apoio de usuários: mais de 205 mil perfis confirmaram presença no “Vem pra janela! Solidarity to Brazilian Protests” , e 273 mil, no “Quinto grande ato contra o aumento das passagens”, de divulgação dos protestos marcados para ontem.
Ao contrário de outras grandes mobilizações nas redes, a onda de protestos não é de uma tag só: entre as muitas etiquetas, à tarde, “#RIO16J hoje e #RIO17J amanhã! Façam o mesmo na sua cidade.” No Twitter, ninguém economizou no uso das tags:
“Desculpem o transtorno, estamos mudando o país!”.

Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/pais/redes-sociais-dao-tom-da-revolta-do-vinagre-8728856#ixzz2Wb3xWEJv
Enviar um comentário