segunda-feira, 13 de janeiro de 2014

Sapo Saúde

Médica e enfermeira voluntárias dão consultas gratuitas em Junta de Famalicão

As duas profissionais vão assegurar os cuidados mais simples

A Junta de Freguesia de Cruz, em Famalicão, disponibiliza à população, nas suas instalações, cuidados de saúde primários gratuitos, graças ao trabalho voluntário de uma médica e de uma enfermeira, informou hoje o presidente.
António Simões disse à Lusa que, para o efeito, a Junta investiu cerca de 5.000 euros em material.
“Entendemos que, nos tempos difíceis que o país atravessa, este era um investimento que merecia prioridade, sobretudo para minimizar os problemas dos idosos e dos mais carenciados”, referiu.
O autarca lembrou que na freguesia não há qualquer unidade pública de saúde, o que obriga os utentes a deslocações ou até Vale S. Cosme, a cerca de dois quilómetros, ou até à sede do concelho, que fica a cerca de seis quilómetros.
Deslocações que, como acrescentou António Simões, “além de incómodas, são também onerosas”.
“Muitas vezes, os utentes precisam de coisas muito simples, que podem perfeitamente ser resolvidas aqui”, sublinhou.
A enfermeira, que já atende na Junta desde o início de dezembro, está disponível todos os sábados, de tarde.
O atendimento por parte da médica começará no próximo dia 25 e decorrerá, por norma, no último sábado de cada mês, entre as 09:00 e as 12:30.
Segundo o autarca, as duas profissionais de saúde prestarão serviços como curativos ou medição da tensão arterial, do ritmo cardíaco ou da glicemia.
A médica poderá ainda passar receitas para medicamentos que os utentes tomem para doenças crónicas, poupando-os assim a deslocações até outras unidades de saúde que, no melhor dos casos, ficam a cerca de dois quilómetros, sempre fora da freguesia.
“A ideia não é a substituição do médico de família, nem pouco mais ou menos”, ressalvou o autarca.
Assim, na Junta, serão assegurados os cuidados mais simples, cabendo ainda às duas profissionais voluntárias o “aconselhamento” dos utentes e a sinalização e encaminhamento dos casos mais complicados para as unidades de saúde.

Lusa
Enviar um comentário