sábado, 26 de abril de 2014

http://www.noticiasaominuto.com

Alda Sousa Por que renunciou deputada "a privilégios" de milhares de euros

A eurodeputada do Bloco de Esquerda, Alda Sousa, decidiu renunciar ao subsídio de reinserção de 12.400 euros e à pensão mensal vitalícia de 556,98 euros a que tinha direito, e explica ao Diário de Notícias por que decidiu fazê-lo.
Política
Por que renunciou deputada a privilégios de milhares de euros
DR
Alda Sousa, eurodeputada do Bloco de Esquerda, regressa a Portugal depois de um período profissional entre Estrasburgo e Bruxelas. De volta a casa, a deputada de esquerda tinha direito, tal como todos os restantes eurodeputados portugueses, a um subsídio de reinserção e a uma pensão mensal como prémio pelo trabalho realizado fora de Portugal, mas Alda Sousa renunciou a estas benesses.
PUB
De volta a Portugal, Alda Sousa revela que vai voltar à vida académica, onde é professora. A deputada do Bloco de Esquerda disse ao Diário de Notícias que tinha direito a um subsídio de reintegração de 12.400 euros e, a partir dos 63 anos, a uma pensão vitalícia de 556,98 euros, valores a que decidiu renunciar primeiro porque o seu regresso à educação “não é considerado como uma reintegração”, e segundo porque defende que “a pensão vitalícia deveria terminar”.
“Uma pensão vitalícia associada ao exercício do mandato público é diferente de uma pensão social ou contributiva; é um privilégio com o qual não concordo!”, assinalou, defendendo que os descontos que “cada um faz durante o seu mandato devem contar apenas para o cálculo da reforma”.
Quanto aos salários pagos aos eurodeputados, Alda Sousa defende que não são tão altos quanto se possa pensar, tendo em conta que o nível de vida no estrangeiro é mais elevado e tendo também em conta que um deputado que saia do país, além de ter que pagar contas no novo país de residência, tem de continuar a suportar as despesas em Portugal.
De qualquer forma, a bloquista insurge-se “contra os verdadeiros privilégios e contra as ajudas que considera supérfluas, como por exemplo, as viagens em classe executiva”.
Enviar um comentário