quinta-feira, 30 de outubro de 2014

30.10.2014

Jordi Savall renuncia ao Prémio Nacional de Música de Espanha em protesto contra Governo

Bob Edme O musicólogo, maestro e compositor espanhol Jordi Savall.

O musicólogo, maestro e compositor espanhol Jordi Savall renunciou esta quinta-feira ao Prémio Nacional de Música, de Espanha, acusando o Governo espanhol de "irresponsabilidade e incompetência", na defesa da arte.

Jordi Savall, 73 anos, foi distinguido na quarta-feira com o Prémio Nacional de Música, mas anunciou hoje, em comunicado, que renuncia "com profunda tristeza" ao galardão, instituído pelo Ministério da Cultura de Espanha, lamentando o desprezo por quem tenta manter vivo "o património musical hispânico".

O músico, que atuou no dia 19 em Lisboa e se apresenta a 4 de novembro no Porto, agradeceu o reconhecimento pelo prémio, no valor de 30 mil euros, mas justifica esta renúncia como um "ato de repulsa em defesa da dignidade dos artistas", e que possa servir de "reflexão para pensar e construir un futuro mais esperançoso para os jovens".

"A ignorância e a amnésia são o fim de toda a civilização. Sem educação não há arte e sem memória não há justiça", sublinhou o musicólogo catalão, lamentando "a falta de consciência do valor da cultura" por parte "dos responsáveis pelas mais altas instâncias do governo de Espanha".

O Ministério da Cultura de Espanha anunciou na quarta-feira a atribuição do Prémio Nacional de Música 2014 a Jordi Savall, um dos mais reputados especialistas em música antiga, pelo seu "inesgotável trabalho de recuperação e divulgação do patrimóni musical espanhol".

Presença assídua em Portugal ao longo dos últimos anos, Jordi Savall conta com mais de 40 anos de carreira, dedicados à música antiga, na investigação, interpretação - em viola da gamba -, e direção musical.
Lusa
Enviar um comentário