quarta-feira, 4 de março de 2015

PÚBLICO

Alzheimer

Dois arquitectos criam aldeia para doentes de Alzheimer

O conceito combina a invenção de uma vila (bem diferente de um lar) que possibilita que os residentes com Alzheimer vivam com a mínima medicação possível num ambiente seguro
Texto de Bruna Cunha

A Holanda foi pioneira num projecto que consiste na criação de um bairro para doentes de Alzheimer. O objectivo é fazer com que estas pessoas levem uma vida o mais normal possivel — os habitantes acabam mesmo por achar que moram numa vila como todas as outras. A ideia consiste na criação de um bairro onde os "pacientes" possam viver de forma segura. Isto porque o bairro, criado apenas com o propósito de albergar estes doentes, tem uma equipa de auxiliares que os ajudam em tarefas diárias e está equipada com supermercados e espaços de lazer.

As diferenças do "Dementiaville" para qualquer outro bairro acabam por ser poucas. Há um supermercado, cinema, barbeiro e mais de 30 clubes sociais. Este conceito inovador foi criado por Frank van Dillen e Michael Bol, dois arquitectos que têm desenvolvido vários edifícios na zona.

O objectivo desta contrução é assegurar que as pessoas possam ter as condições necessárias para fazerem o seu dia-a-dia da forma mais normal possível e, assim, afastarem-se da ideia dos lares que acabam por isolar os pacientes que lá vivem.

Os fundadores da ideia deixam que os moradores decidam os seus horários e rotinas – planeiam as compras e refeições em conjunto. Podem pintar, jogar e passear em jardins realistas.

O espaço está equipado de forma a assegurar o conforto e segurança de todos os pacientes. De tal forma que a ideia foi nomeada para o “Hedy d’Ancona Award”. O prémio tem como objectivo premiar edifícios onde a arquitectura ajuda a assegurar cuidados de saúde com um ambiente acolhedor em termos de design urbano, de interiores e envolvência geral de espaços exteriores e interiores.

A “Mahal Cielo Village” vai ser inaugurada em breve nos EUA. A ideia é semelhante à já existente – tratar os doentes com perturbações mentais, como o Alzheimer, com a dignidade que merecem.
Enviar um comentário