sábado, 6 de junho de 2015

Descoberta reacção química que permite tratamento de cancro com infravermelhos

Um estudo desenvolvido pelo Instituto Químico de Sarria (IQS), em Espanha, abre a porta à possibilidade de diagnosticar e tratar o cancro com luz infravermelha.
O estudo, publicado na revista Chemical Communications, da Sociedade Real de Química, em Londres, foi realizado por uma equipa constituída por Santi Nonell e Oriol Planas, investigadores do IQS, e pelo especialista em síntese orgânica Thibault Gallavardin.
A investigação descobriu uma nova reação química em que uma sonda fluorescente muda de cor quando ligada a um anticorpo e a outras biomoléculas de interesse médico, bem como a uma grande variedade de nanopartículas.
A marcação de anticorpos, biomoléculas e nanopartículas com sondas fluorescentes é uma técnica usada em ensaios clínicos e em diagnóstico por imagem.
Recentemente, tem começado também a ser usada para guiar intervenções cirúrgicas em tempo real, mas um dos principais problemas das sondas atualmente disponíveis é que a sua emissão se encontra na região visível do espectro e sobrepõe-se à autofluorescência própria dos tecidos biológicos.
Enviar um comentário