quarta-feira, 9 de março de 2016

Aventar.eu

A história do empresário português de sucesso que acredita no OE16

 
Guimarães,03/11/2011 - Fortunato Frederico empresário e industrial do calçado na fábrica da Kyaia , produtora de marcas de marcas como a Fly London e Foreva .( Pedro Granadeiro / Global Imagens )
Fortunato Frederico não é típico empresário mediático e presunçoso que podemos encontrar em cocktails na capital, rodeado de tráfico de influências, ostentação e tias fúteis de Cascais. Começou por baixo, trabalhou muito, construiu o seu negócio do zero e hoje emprega mais de 600 pessoas em cinco fábricas e mais de 80 pontos de venda espalhados pelo globo, do Porto a Nova Iorque, Londres ou Berlin. A sua marca, Fly London, é mais famosa e reconhecida lá fora do que em Portugal. Um daqueles exemplos que tanto inspiram os fervorosos adeptos do capitalismo sem freio. O self made men que todos poderíamos ser se vivêssemos na ilha da utopia neoliberal.
O sector de actividade de Fortunato Frederico, o calçado, é um dos mais bem-sucedidos e um dos que mais exportações tem dado ao nosso país. O patrão da Kyaia compete directamente com a oleada máquina italiana e com as principais insígnias mundiais e, de acordo com uma notícia publicada no Dinheiro Vivo no final de 2011, a Fly London era já a oitava marca de sapatos mais vendida em todo o mundo.
Neste patamar de competitividade, era expectável ouvirmos de Fortunato Frederico o habitual discurso dos empresários mercenários sediados na Holanda, que adoram colher todo e qualquer benefício estatal, pagar poucos ou nenhuns impostos e desviar dinheiro através de paraísos fiscais mas que se esforçam por pagar mal e dar aos seus trabalhadores péssimas condições de trabalho ao mesmo tempo que colhem o máximo de lucro possível. Era expectável ouvirmos o dono da Fly London afirmar, nesse contexto de pânico simulado destinado a criar instabilidade que os empresários encostados ao lobby neoliberal tanto gostam de promover, que este orçamento de Estado é uma ameaça às exportações ou um atentado à competitividade.
Ao invés disso, disse Fortunato Frederico sobre o OE16: “O orçamento cumpre as principais promessas: o consumo crescerá e haverá mais dinheiro na economia”. Questionado pelo Expresso, o patrão da Kyaia afirma que o OE16 lhe inspira confiança (16 valores em 20) e que vai na direcção certa (15 valores).
Claro que a maioria dos empresários e gestores questionados pelo Expresso, próximos do pensamento dominante nos partidos do anterior governo, dão nota negativa ao OE16. Não obstante, muitos deles pouco ou nada percebem de produtividade, sendo, ao invés disso, versados na arte da nomeação e do compadrio, com currículos feitos de jogos de bastidores e em empresas públicas deficitárias que ajudaram a arruínar enquanto eram principescamente pagos. Outros há que devem os seus percursos a lugares oferecidos por empresas cujo sector foi por si tutelado aquando das suas passagens por ministérios ou secretarias de Estado. Fortunato Frederico não será um daqueles CEO’s do Ano que acabam humilhados às mãos de uma esganiçada qualquer mas percebe o seu negócio, produz e acrescenta valor à economia portuguesa. E não parece, ao contrário do coro à direita, minimamente preocupado com a competitividade. Ou com as suas exportações, que representam a maior fatia do seu negócio. Porque será?
Foto: Pedro Granadeiro/Global Imagens@Dinheiro Vivo
Enviar um comentário