quarta-feira, 2 de março de 2016

«Tabanca Solar»: Portuguesa constrói aldeias solares na Guiné-Bissau

Por Sandra Gonçalves
«Tabanca Solar»: Portuguesa constrói aldeias solares na Guiné-Bissau

O projecto «Tabanca Solar», desenvolvido por Inês Rodrigues, venceu a 7ª edição do Prémio Terres de Femmes Portugal, iniciativa que todos os anos destaca um projecto em curso levado a cabo por uma mulher portuguesa, anunciou hoje, em Lisboa, a Fundação Yves Rocher.

Foi no âmbito da sua actividade enquanto professora e formadora que Inês Rodrigues, confrontada com as histórias de vida de alguns alunos oriundos de países africanos, idealizou um conceito de aldeia solar onde a iluminação das casas, a confecção das refeições e a conservação dos alimentos dispensasse qualquer tipo de fio eléctrico.
Para executar o seu projecto, Inês criou a Educafrica, Organização Não Governamental (ONG) à qual preside, cujos voluntários estudam e desenvolvem soluções para problemas reais diagnosticados na Guiné-Bissau, país onde posteriormente são implementadas.
Através da simples reutilização de garrafas de água, Inês Rodrigues conseguiu iluminar as habitações de duas aldeias da Guiné, como se de lâmpadas de 50W se tratassem.
Para evitar acidentes domésticos causados pela utilização de fogo e panelas no chão, bem como o abate diário de árvores para obtenção de madeira, Inês criou também um forno solar que permite confecionar uma refeição para uma família de cinco pessoas em cerca de uma hora.
Com o objectivo de dar resposta à falta de meios de conservação alimentar, o que resulta na escassez de provisões para a população, o projecto de Inês Rodrigues criou ainda um desidratador solar, equipamento que permite a secagem e conservação de frutas e legumes sem que estes percam as suas qualidades e valores proteicos durante o período de dois anos.
Recorrendo à energia solar, Inês trabalhou também na criação de um sistema fotovoltaico que permite iluminar centros de saúde e escolas, permitindo a assistência à população durante a noite, bem como a alfabetização após a jornada de trabalho.
Com um projecto altamente inovador, Inês Rodrigues recebe assim o galardão de eco-cidadã do ano, bem como um prémio pecuniário no valor de 10 mil euros, entrando na corrida ao Prémio Internacional que disputará com outros oito países, bem como ao Prémio do Público, no valor de 5 mil euros, sujeito a votação online em www.yves-rocher-fondation.org/terre-de-femmes/, de 9 a 27 de Março.
O projeto «Cabaz de Peixe», da autoria da bióloga Catarina Grilo, recebeu também uma menção especial no valor de três mil euros.
Este projecto está a ser desenvolvido em Sesimbra e pretende, através do envolvimento das comunidades piscatórias na comercialização do produto da sua actividade, reduzir o desperdício de peixe ao mesmo tempo que disponibiliza ao consumidor um produto de origem local a um preço mais reduzido.
Ao comercializar o peixe sob a forma de cabaz, com a particularidade do consumidor receber regularmente uma quantidade fixa de pescado, o projecto de Catarina Grilo permite que espécies desconhecidas da população e com baixo valor comercial sejam assim aproveitadas de forma ambientalmente eficiente.
As dezenas de projetos submetidos à 7.ª edição do Prémio Terre de Femmes Portugal foram avaliados por um júri nacional independente constituído por representantes da Liga para a Proteção da natureza (LPN); Inspecção-Geral da Agricultura, do Mar, do Ambiente e do Ordenamento do Território; e Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa (ICS-UL).
Criado há 15 anos pela Fundação Yves Rocher, o Prémio Terre de Femmes visa distinguir, dar visibilidade e apoiar financeiramente projectos de mulheres eco-cidadãs que trabalham por uma pegada cada vez mais positiva.
Enviar um comentário