terça-feira, 26 de julho de 2016

Universidade de Coimbra: pâncreas bioartifical para tratar diabetes

scientist working at the laboratory
Uma equipa de investigadores da Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra está a desenvolver um pâncreas bioartificial, uma microcápsula com células produtoras de insulina, para tratar eficazmente a diabetes tipo 1 e tipo 2.
A equipa liderada por Raquel Seiça focou-se em melhorar as propriedades biológicas destes dispositivos, o que permitiu aumentar a viabilidade e a funcionalidade das células encapsuladas e transplantadas. Os resultados das experiências realizadas, primeiro in vitro e posteriormente em ratos diabéticos, foram bastante promissores.
«Observou-se, in vitro, um aumento da viabilidade celular e da produção de insulina e, nos animais diabéticos, uma melhoria dos níveis da glicose sanguínea e da resistência à acção da insulina», explica a coordenadora deste estudo, que começou há quatro anos com o projecto de tese de Joana Crisóstomo.
«Com o encapsulamento conjunto destas nanopartículas e das células produtoras de insulina nas referidas microcápsulas de hidrogéis de alginato modificados com RGD, observou-se um aumento muito significativo da secreção de insulina, estando em curso a realização de novos ensaios em modelos animais», explica a catedrática da Faculdade de Medicina de Coimbra.
O número de casos de diabetes tem vindo a aumentar, afectando já mais de um milhão de portugueses. Facilitar o dia-a-dia dos doentes é assim o grande objectivo deste projecto. “Libertar os doentes com diabetes tipo 1 das injecções de insulina e alcançar um melhor controlo dos níveis de glicose com a consequente diminuição das complicações agudas e crónicas da doença e, desta forma, melhorar a qualidade de vida dos doentes com diabetes», conclui a investigadora da Universidade de Coimbra.
Foto: Britico / Creative Commons
Enviar um comentário