segunda-feira, 17 de agosto de 2009

DN
Evolução

Canto pode influenciar a evolução da cigarra

por R. C.

Canto pode influenciar a evolução da cigarra

Investigadores portugueses da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa acreditam que a capacidade acústica das cigarras, que cantam durante grande parte da sua vida, está associada à reprodução e evolução da espécie. E consideram que a diversificação dos seus cantos pode ser até responsável pelo surgimento de novas espécies

Já dizia a fábula, e até de um modo meio depreciativo, que enquanto a formiga trabalha, a cigarra canta. Pois, agora, os investigadores portugueses descobriram que, durante essas horas de canto, as cigarras podem estar a contribuir para o desenvolvimento da espécie. E que a diversificação dos seus cantos pode até explicar o aparecimento de novas espécies.

Três estudos publicados em revistas internacionais da especialidade revelam novas características destes insectos. Os trabalhos foram realizados por investigadores do Centro de Biologia Ambiental do Departamento de Biologia Animal da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa e da School of Biosciences da Universidade de Cardiff (no Reino Unido), que contribuiu na parte genética dos estudos.

Estes insectos têm olhos grandes e uma capacidade acústica que, nos dias de maior calor, pode atingir os cem decibéis. Os machos, pois as fêmeas são silenciosas. As cigarras chegam a viver 17 anos, sendo dos insectos com maior esperança de vida.

Mas grande parte do tempo passam-no a alimentar-se e a crescer debaixo de terra. Daí saem por algumas semanas, na fase ninfa, para se reproduzirem e morrerem. No tempo que passam à superfície, toda a energia é usada no acasalamento e na deposição de ovos em plantas herbáceas.

José Alberto Quartau, especialista da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, explicou à Lusa o trabalho. "A investigação tentou comparar a evolução de algumas espécies de cigarras ao longo de várias gerações, a níveis morfológico, genético e comportamental." E a conclusão prova que a comunicação acústica é usada essencialmente na reprodução.

"É um exemplo muito bonito de como a comunicação acústica tem um papel muito importante na criação de novas gerações, ao servir de sinalização dos machos para atrair as fêmeas da sua espécie."

Esta comunicação acústica implica grande dispêndio de energia, pois os machos chegam a cantar horas seguidas no tempo de maior calor. Fazem-no através da vibração de membranas, provocada pela contracção de músculos.

Ao constatar que a evolução enveredou nestes insectos pela comunicação acústica, por lhes trazer grandes vantagens, os investigadores vão tentar agora demonstrar que o aparecimento de novos sinais acústicos poderá estar na origem da criação de novas espécies.

Enviar um comentário