sexta-feira, 18 de setembro de 2009

DN Gente
Pedro Zamora

Viver com sida sob o olhar das câmaras

por João Moço

Viver com sida sob o olhar das câmaras

Tinha apenas 17 anos quando contraiu o VIH. Aos 21 decidiu participar num 'reality show' com um papel de activista. Agora a sua história de vida surge no filme 'Pedro'.

Pedro Zamora tinha 22 anos quando morreu. Estávamos em 1994, os reality shows ainda eram uma novidade. Tentavam-se novas formas de abordagem a este tipo de programas. E nesse ano este jovem utilizou o programa The Real World como uma plataforma para transmitir uma mensagem social e política, ao deixar que as câmaras da MTV revelassem como era a vida de um jovem portador do VIH.

Recentemente esta históriafoi adaptada para o grande ecã, num filme simplesmente intitulado Pedro, que é exibido pela primeira vez em Portugal no âmbito do festival de cinema Queer Lisboa 13, que começa dia 18.

A dimensão da história e do papel activista de Pedro Zamora chegou mesmo a Bill Clinton, Presidente dos EUA na altura, que chegou a contactar telefonicamente com o jovem poucos dias antes deste morrer de sida.

Pedro Zamora nasceu a 29 de Fevereiro de 1972 em Cuba, no seio de uma numerosa família de sete irmãos.

Quando tinha oito anos foi concedida à sua família a possibilidade de viver nos EUA. No entanto, os quatro irmãos mais velhos tiveram de ficar em Cuba.

Pedro, a irmã Mily e os pais mudaram-se então de malas e bagagens para Miami. Com as dificuldades resultantes da separação da família, Pedro torna-se cada vez mais próximo da mãe, Zoraida, que morreu de cancro quando o filho tinha apenas 13 anos.

Com a chegada da adolescência, a descoberta da sexualidade (Zamora era homossexual) e um desconhecimento completo sobre protecção nas relações sexuais, Zamora acaba por contrair o VIH. A descoberta de que era portador do vírus chegou com um exame médico, a 9 de Novembro de 1989.

Apesar de confrontado com esta realidade, Pedro Zamora decidiu terminar os estudos no ensino secundário e, um ano depois, juntou-se à Body Positive, uma associação de prevenção da sida de Miami, onde começou a desenvolver um espírito de activista, reflectindo e agindo sobre aos problemas que afectam os portadores do VIH.

A 12 de Julho de 1993 Pedro Zamora chegou mesmo a testemunhar no Congresso dos EUA, com o intuito de alertar para programas educacionais mais explícitos quanto às formas de transmissão e prevenção do VIH.

Foi exactamente nesta altura que este jovem cubano, então já residente nos Estados Unidos, concorreu à terceira temporada de The Real World, um reality show que juntava um grupo de jovens que se desconheciam numa mesma casa e aí acompanhava o seu dia-a-dia. O seu objectivo ao concorrer para este programa era o de alertar o número máximo de pessoas possível para o flagelo da sida. Mas também mostrar como era o quotidiano de um portador do vírus.
Nesta altura Pedro Zamora dava palestras em várias escolas da Bay Area, sendo que dois dos concorrentes do reality show com quem travou uma amizade mais próxima, Pam Ling e Judd Winnick, eram uma presença regular nestes eventos. Foi também durante as gravações do programa que se envolveu com Sean Sasser, também um activista, com quem manteve uma relação amorosa até morrer. O casal chegou mesmo a trocar votos de compromisso frente às câmaras do The Real World.

Em Junho de 1994 Zamora chegou a ter uma entrevista marcada para o programa CBS This Morning, em Nova Iorque. No entanto, esta entrevista nunca se realizou, já que foi nesta altura que o jovem activista adoeceu gravemente, vindo a morrer no dia 11 de Novembro, na sua casa em Miami, exactamente um dia depois de ir para o ar o último episódio da temporada de The Real World, que o mediatizou.

Enviar um comentário