sábado, 16 de maio de 2015

ZAP aeiou

 Dinamarca quer acabar com as notas e moedas

A Dinamarca será o primeiro país do mundo a suprimir o dinheiro a circular em numerário. O governo dinamarquês anunciou a intenção de eliminar já em 2016 o uso de notas e moedas para pagamento de bens em lojas, estações de serviço e restaurantes.
Há 2600 anos, quando algures na Ásia se cunhou a primeira moeda, pôs-se em marcha a primeira revolução económica da humanidade, que ditou o fim da economia de troca directa e marcou o início do comércio mundial. Mas passados dois milénios e meio, faz sentido manter o dinheiro físico em circulação?
Segundo a BBC, o governo da Dinamarca parece pensar que não, depois de ter esta semana anunciado medidas para suprimir a partir do próximo ano o uso de dinheiro em numerário para pagamento no comércio.
As medidas foram apresentadas como parte de um conjunto de propostas para fomentar a economia dinamarquesa. A longo prazo, a Dinamarca será o primeiro país sem dinheiro em circulação.
“O objectivo desta medida é eliminar os consideráveis custos administrativos e financeiros do manuseamento de dinheiro em numerário”, explica um responsável do governo dinamarquês.
A decisão nem é demasiado surpreendente para um país como a Dinamarca, onde 100% da população adulta tem cartão de crédito e onde nos últimos 25 anos os pagamentos em numerário registaram uma quebra de 90%.
Actualmente, apenas 25% dos pagamentos são efectuados em dinheiro, e é raro encontrar um estabelecimento comercial que não aceite pagamento em cartão.
O dinheiro electrónico tem uma série de vantagens evidentes sobre o dinheiro físico, que é, em primeiro lugar, mais caro de produzir, transportar e guardar.
No México, por exemplo, cada uma das 1320 milhões de notas produzidas este ano teve um custo de 1 peso, cerca de 6 cêntimos de euro.
-
Tem todos os defeitos do mundo (mas é meu)
O dinheiro físico também rouba tempo aos consumidores. Segundo um estudo de Bhaskkar Chakravorti e Benjamín Mazzota, investigadores da Universidade Tufts de Boston, nos EUA, cada americano passa em média 28 minutos por mês em frente a uma caixa multibanco.
O estudo não apresenta no entanto estimativas do tempo que cada consumidor americano passa por mês à espera quando paga com cartão numa loja – onde tipicamente cada operação requer um tempo de comunicação entre o terminal de multibanco e o banco – ou quando espera pelo carregamento das páginas no seu serviço de banca online.
Há ainda motivações mais simples para acabar com o dinheiro em circulação. Por exemplo, o dinheiro electrónico é mais ecológico e mais higiénico.
Além disso, o dinheiro físico é mais propício a fenómenos de evasão fiscal que a maior parte dos governos do mundo tenta combater.
Mas esta ideia poderá encontrar alguma oposição por parte dos consumidores, e o próprio governo dinamarquês prevê que a população possa ter dificuldade em adaptar-se à medida.
As duas grandes preocupações dos consumidores com esta medida têm a ver com questões de propriedade e privacidade.
Alguns consumidores sentem que o dinheiro que têm na mão (ou debaixo do colchão) é seu, enquanto que o dinheiro que têm no banco será ou não – percepção fortalecida depois de casos recentes como, em Portugal, o do Banco Espírito Santo.
E talvez os consumidores não estejam ainda preparados para aceitar que todos os seus hábitos de consumo, sem excepção, fiquem registados algures num servidor – acessíveis não apenas a inspectores das finanças curiosos mas, muito pior do que isso, a solícitos operadores de empresas de telemarketing.
AJB, ZAP
Enviar um comentário