quarta-feira, 14 de dezembro de 2016

Portuguesa descobre como é que algumas células humanas resistem ao VIH/Sida

A cientista portuguesa Carla Ribeiro descobriu o mecanismo das células resistentes ao Vírus da Imunodeficiência Humana (VIH), denominadas “Langerhan cells” e que são as primeiras a interagirem com o vírus após contacto sexual. 
 
créditos: EPA/PIYAL ADHIKARY
 
O estudo, liderado pela portuguesa e publicado a 7 de dezembro na revista Nature, explica o mecanismo que torna determinadas células naturalmente resistentes ao VIH.
“Nestas células, o HIV-1 é destruído por um processo chamado autofagia, que ocorre dentro das células e é capaz de digerir micróbios como uma trituradora”, explicou, em comunicado, Carla Ribeiro, do departamento de Experimental Immunology do Academic Medical Center, em Amesterdão, Holanda.
Segundo a cientista, a autofagia é ativada nas “Langerhan cells”, que residem em diferentes tecidos humanos, incluindo vagina, prepúcio e intestino, “através da ação de um fator restritivo que é funcional apenas neste tipo de células”. “O mesmo fator restritivo não funciona noutras células, sendo estas por consequência infetadas com VIH”, explica Carla Ribeiro.
A descoberta, segundo o comunicado, vai permitir aos investigadores “desenvolver novos métodos preventivos contra o VIH, mas também destruir o vírus após a infeção”. “No entanto, é preciso haver mais investigação nesta área para que novas terapias possam ser desenvolvidas”, acrescenta.
Enviar um comentário